Investimento em Crédito Privado – Desvendando uma nova classe de ativos

Helena Leite

Helena Leite

Head of Creadit da a55

crédito privado

A taxa Selic (taxa básica de juros da economia) está em seu menor patamar da história: 2% ao ano.

Com esse nível de taxa, as aplicações financeiras mais conhecidas do brasileiro, poupança e tesouro direto, deixaram de ser atrativas pois estão rendendo muito pouco ao investidor. 

Muitas pessoas migraram parte de seus recursos para a bolsa de valores, buscando valorizar mais seus patrimônios apesar do risco consideravelmente maior. No entanto existe uma classe de ativos ainda pouco explorada pelos investidores que pode trazer rendimentos atrativos com risco moderado: o crédito privado.

Neste artigo nós vamos contar o que é o Crédito Privado, como ele funciona, quais os principais títulos e quais cuidados você deve ter ao escolher essa modalidade de investimento.

O que é o Crédito Privado?

Quando falamos em renda fixa, para muitas pessoas a primeira opção vem à cabeça é o Tesouro Direto. Porém, existe outra possibilidade de investimento, chamada Crédito Privado, no qual a pessoa investidora compra títulos emitidos por empresas e instituições privadas.

Uma empresa pode captar dinheiro de diversas maneiras, uma delas é emitir os títulos de crédito privado, que qualquer investidor pode adquirir. Ou seja, podemos dizer que quem compra um título dessa empresa, está emprestando uma quantia, que será devolvida com o acréscimo de juros, estipulados pela instituição emissora.

Mesmo sendo um investimento em renda fixa, isto é, menos arriscado que as ações, é preciso ficar atento às empresas que emitem títulos. Isso porque o crédito privado não tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), então se por algum motivo a empresa emissora vier a falir, não é possível recuperar o dinheiro investido.

O rendimento dessa operação varia de acordo com a empresa emissora, podendo ser pré ou pós fixado. Com os títulos prefixados, a pessoa investidora sempre saberá quanto vai receber antes de investir, já com os títulos pós-fixados, o rendimento varia porque depende de alguns indicadores como Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e Certificado de Depósito Interbancário (CDI). 

Quais são as modalidades de crédito privado

Existem basicamente três modalidades de crédito privado: debêntures, CRI/CRA e FDIC. É importante ressaltar que eles são diferentes das aplicações de renda fixa tradicionais (LCI/LCA e CDBs).

Debêntures

Uma debênture é um título de crédito, que representa um empréstimo ou seja, uma empresa privada emite um título e qualquer pessoa investidora pode adquirir, ou uma  securitizadora (instituições que convertem dívidas em títulos lastreáveis) seleciona diversas empresas que necessitam de empréstimo, monta um portfólio diversificado que minimiza o risco, e emite uma debênture de crédito pulverizado. Todo o processo de compra é assegurado por uma escritura de emissão. 

Existem dois tipos de debêntures

  • Debêntures nominativas, que são emitidas em nome do investidor inicial. Nesse caso o registro e o controle de transferências da debênture é feito em livro próprio da companhia emissora;
  • Debêntures escriturais, que também têm seu registro e controle de transferências feitos pela companhia, mas o título em si é guardado em uma conta de custódia no nome do investidor por meio de uma instituição financeira, de modo geral em uma corretora de valores.

O pagamento do rendimento das debêntures, acrescido de juros pode ser feito de diferentes maneiras e isso gera outra variação dos títulos, que podem ser simples, conversíveis ou permutáveis.

Além disso, algumas debêntures podem ser isentas de imposto de renda quando a empresa emissora realiza investimentos em infraestrutura. Nestes casos, o Governo Federal utiliza a estratégia de isenção da cobrança de impostos para incentivar o financiamento de projetos de infraestrutura, como saneamento básico, rodovias, geração e transmissão de energia, entre outros.

Essas debêntures são conhecidas como debêntures incentivadas e, hoje em dia, são bem procuradas.

CRI/CRA

O CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) é um investimento para financiar transações do mercado imobiliário, muito parecido com a LCI (Letra de Crédito Imobiliário). Assim como as debêntures, é possível comprar um título como forma de emprestar dinheiro para a instituição emissora.

O pagamento desse rendimento é feito após um tempo estipulado no momento da compra e a pessoa investidora recebe a quantia que investiu, acrescida de juros e correção monetária.

O CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) é muito semelhante ao CRI. A maior diferença entre ele é que o CRA está ligado ao setor de agronegócio.

Ambos são emitidos por securitizadoras, são isentos de tributos e usualmente apresentam retorno acima da inflação pois usam indicadores com IGP-M ou IPCA acrescido de taxa de juros real.  

FIDC

FIDC é a sigla para Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. Essa modalidade funciona a partir da união de diversas pessoas investidoras, que possuem um mesmo objetivo e que reúnem seus recursos em um investimento em comum, através de um fundo de investimento . Para que essas operações sejam possíveis, é preciso destinar uma parcela de, no mínimo, 50% do patrimônio líquido em aplicações de Direitos Creditórios.

Os FIDCs são é uma boa opção para quem busca investir em crédito privado, porém tem pouco conhecimento no assunto, já que os FIDCs são veículos geridos e administrados por entidades profissionais e são regulados pela CVM.

No entanto esses fundos são destinados a investidores qualificados, que devem investir inicialmente no mínimo R$ 25 mil. 

Existem discussões em andamento sobre a possibilidade de alterar esta regra e tornar os FIDCs mais acessíveis ao público em geral no futuro.

Vantagens de investir em crédito privado

Veja quais são as vantagens de investir nessa modalidade

  • Rentabilidade

A rentabilidade do crédito privado é melhor do que dos mercados tradicionais de renda fixa, o que pode ser interessante em momentos de baixa da taxa de juros. Mas é importante ressaltar que o risco também acaba sendo maior mesmo que inferior ao investimento em renda variável.

Como comentamos anteriormente, se você deseja investir em uma empresa a partir dessa modalidade, você deve ficar atento ao segmento em que ela está inserida, quais os resultados ela apresenta e quais as projeções de crescimento. Dessa forma é possível evitar eventuais perdas.  

  • Diversificação 

A pessoa investidora pode trabalhar com diferentes ativos de crédito privado, para distribuir melhor o dinheiro investido e, consequentemente, reduzir riscos. 

  • Gestor Especializado

Quem não possui muita experiência pode contar com o auxílio de um gestor especializado. Essa é uma vantagem que permite o investimento em operações de crédito mais estruturadas com um retorno mais atrativo.

  • Possibilidade de Isenção de Impostos

Alguns ativos contam com a isenção de diversos impostos, como acontece com as debêntures incentivadas ou CRIs/CRAs.

Como e onde investir

Antes de investir em um título de crédito privado, é muito importante analisar a operação como um todo: quais os riscos, qual o histórico de pagamento e as projeções de crescimento da empresa, ou a experiência do gestor especializado. 

Após fazer a análise sobre a empresa ou FIDC que deseja investir, você pode optar por seguir a operação com um banco ou com uma corretora de valores.

Em alguns casos é possível investir direto com empresas securitizadoras ou na modalidade “Peer-to-Peer” (empréstimos direto da pessoa física para a empresa tomadora), produto oferecido por algumas fintechs do mercado com potencial de retorno mais elevado.

A a55 atua com crédito empresarial há 3 anos, já financiou mais de R$ 100 milhões de reais para mais de 70 empresas distintas e possui sua própria empresa securitizadora, na qual seleciona empresas qualificadas para tomar crédito através de análises detalhadas, e emite debêntures lastreadas nestes créditos de forma pulverizada.

Para conhecer mais sobre a possibilidade de investimento em crédito privado contando com a experiência da a55, entre em contato conosco pelo e-mail [email protected]