Startup valuation: como calcular o valor da sua empresa

Andre Wetter

Andre Wetter

Co-Founder da a55

Apesar de o conceito de startup valuation ser comum à maioria dos fundadores de startups, nem sempre ele é compreendido da maneira correta. A depender do estágio da empresa, uma interpretação errônea pode acarretar uma falha de cálculo, maus entendimentos sobre a intenção de um investidor, entre outras situações desconfortáveis.

De acordo com o Mentor da Endeavor Rodrigo Ventura, “o valuation de uma startup representa o preço que algum investidor está disposto a pagar para participar de um retorno futuro e incerto. Portanto, quanto menos distante e menos incerto for esse retorno, maior é o valuation”.

Dessa forma, compreender como um valuation é calculado pode ser a diferença entre agarrar uma oportunidade de investimento e esperar para construir um produto mais maduro, recebendo, assim, uma avaliação e uma participação maiores.

Como essa métrica atinge diretamente a ação de empreendedores, potenciais investidores e o time das organizações, é essencial ter um planejamento estratégico que possa agregar valor à empresa. Mas, antes de começarmos a destrinchar como o valor de mercado de uma empresa é constituído, vamos sanar algumas dúvidas sobre pré e pós-investimento.

Valuation pré e pós-investimento

Pré-money (ou pré-investimento) é a estimativa de valor de uma empresa antes do recebimento de algum aporte financeiro e normalmente inclui investimentos feitos pela equipe de fundadores.

O post-money (ou pós-investimento) é o valor resultante da soma do pré-money e do investimento. Agora que vimos suas diferenças, temos:

Pré-investimento (pré-money) + Investimento = Valuation pós-investimento (post-money).

Por exemplo: se os fundadores de uma empresa tenham investido aproximadamente 4 milhões e, após uma rodada de investimento, recebam 1 milhão, o valuation de post-money será de 5 milhões.

Aqui, a participação do investidor é calculada mediante sua participação no post-money. Como o investidor aportou ⅕ do valor total, sua participação é de 20%.

Calculando o valuation de uma empresa

O startup valuation de uma empresa exibe um retrato de um momento. Ou seja, uma avaliação inicial não é uma ciência exata, principalmente para empresas em estágio inicial de desenvolvimento.

Dessa forma, o cálculo do valuation possui três grandes etapas:

  1. Calcular a estimativa de fluxo de caixa da empresa para os próximos períodos;
  2. Definir a taxa de desconto de acordo com o risco da empresa e outras oportunidades de investimento que possam existir (inclusive um aporte);
  3. Trazer os resultados para o valor presente e somá-los.

De maneira geral, é simples. Mas caso você queira se aprofundar no assunto, uma dica são alguns vídeos do professor Aswath Damodaran, da New York University, no YouTube, como esta introdução ao startup valuation.

Existem diversos métodos que se pode utilizar para calcular o valor da sua empresa. A seguir, falaremos sobre os mais comuns deles, previamente compilados por Rachel Plicher e com a participação de diversos colaboradores.

comparação de preços

1. Método de comparação de preços (Comparable Pricing Method)

É uma das maneiras mais simples e consiste em um bom ponto de partida. Considere a análise de empresas com receita previsível ou recorrente que são comparáveis em termos de MRR, fluxo de caixa, base de clientes, entre outros fatores.

Em resumo, se empresa X vale 3 milhões e a empresa Y é semelhante à empresa X, então o mesmo valor pode ser aplicado.

2. Método Scorecard (Scorecard Method)

É um método bastante comum entre os investidores anjo e uma variação do método de comparação citado acima. Avaliando-se os fatores-chave da empresa como se fosse uma análise SWOT (pontos fortes e fracos, mercado, equipe etc.), permite-se uma comparação entre sua startup e outras startups “médias” em seu setor e área de atuação.

Assim, se sua startup tiver qualidades acima da média de acordo com os cálculos, é provável que você obtenha um valuation mais alto e se torne uma oportunidade de investimento promissora.

3. Método de fluxo de caixa descontado (Discounted Cash Flow Method)

O fluxo de caixa descontado parte da premissa do potencial fluxo de caixa gerado pela empresa no futuro. Com esta previsão e calculando a taxa de retorno esperada, suposições podem ser feitas sobre o valor da sua startup.

No entanto, este método não é o mais confiável, pois depende da capacidade da análise e da taxa de desconto que eles usam para levar em consideração os fatores de alto risco.

4. Método de “Custo de duplicação” (“Cost to Duplicate” Method)

Com esse método, avalia-se o custo para criar uma cópia da empresa para ser analisada do zero. É comumente utilizado para avaliar empresas de SaaS ou marketplaces, em que o timing de execução e a busca pela liderança são mais relevantes que o aparato tecnológico ou o impacto que uma inovação disruptiva pode causar.

Alguns dos fatores avaliados por esse método são o custo e o tempo necessários para a implementação do produto, além de custos de pesquisa, de marketing e outros. É possível que esse método tenha sido utilizado para avaliar o potencial de negócios da 99 ao se perguntar, por exemplo, qual seria o custo para construir uma empresa capaz de alcançar e competir com o Uber na América Latina.

Para os investidores da 99, a “Uber Chinesa”, Didi Chuxing, o valor foi de um bilhão de dólares (avaliação da empresa em 2018). Até aquela data, a 99 havia recebido 5 aportes num total de 240 milhões de dólares.

Ao ter essa estimativa, os investidores — que possuíam uma empresa similar na China —, puderam checar a um valor aproximado de seu aporte, calculando os riscos e benefícios futuros da empreitada.

Como vimos, o cálculo do startup valuation de uma empresa é o retrato de seu valor ao longo do tempo. É uma estimativa bastante válida para a realização de decisões importantes como aquisições, fusões, parcerias e negociações com investidores.

Caso você precise de ajuda para entender ou calcular o startup valuation de sua empresa, entre em contato conosco!